Fotógrafos ( 14 º capítulo )

Fotógrafos – Olhem ali está ele , o David Luiz e vem acompanhado por uma jovem.

 

Todos os fotógrafos se dirigem a David e consequentemente a Ana tirando assim fotos. David olha para Ana e decide então fazer o impensável estando na situação em que estava. Ele no meio da confusão agarra a mão de Ana e diz-lhe

 

David – CÊ tá pronta prá fugir?

 

Ana – Oh não , não, não.

 

Ana não teve hipótese, David puxa-a para ele e os dois iniciam uma rápida corrida desde do Colombo até ao parque de estacionamento privado do Estádio da Luz só para para jogadores. Correram sem parar atravessaram o parque de estacionamento onde agora se encontravam os fotógrafos a correrem atrás deles. Ana e David alcançam o carro e logo David se apressa a abri-lo, pondo assim o motor a trabalhar e acelerando a todo o gás, logo, logo os fotógrafos ficam para trás , Ana e David riem-se às gargalhadas pelo Ana ria.

 

Ana – Hahahaha, aí nunca tinha corrido tanto na minha vida.

 

David – Cê tá rindo mas amanhã cê vai aparecer em tudo que é revistas e tá rindo cê não existe mesmo.

 

Ana – Pois vou aparecer mas olha teve muita piada hahahahahahaha.

 

Ana ria e ria sem parar e David olhava para ela incrédulo mas nem ele conseguiu resistir ao riso e também se começou a rir sem parar. Depois de acalmarem começaram a conversar descontraidamente.

 

David – Cê quer ir onde? Ou melhor dizendo quer jantar onde?

 

Ana – Primeiro vou ligar à Andreia ela deve estar passada comigo.

 

David – Tá bom liga lá é melhor mesmo.

 

Passado 5 minutos

 

Ana – Fogo tá com o telemóvel desligado, agora vai ficar preocupada e chateada comigo.

 

David – Não fica preocupada não, ela não deve tar sozinha não, isso eu garanto a você.

 

Ana – O que queres dizer com isto?

 

David – Ela deve estar com o Ruben, ele antes de eu sair prá te encontrar disse que ia pró Colombo tentar encontrar ela.

 

Ana – Ah então entendo o telemóvel desligado não quer ser incomodada sim senhora. Aqueles dois não sei não.

 

David – Eu cá sei! ( Ambos riem )

Então já decidiu onde vamos jantar?

 

Ana – Estava a pensar em irmos buscar comida a um restaurante e em seguida fazíamos um piquenique na praia. O que achas?

 

David – Acho óptimo, vamo lá eu conheço um restaurante aqui perto a gente busca a comida lá e em seguida vamos prá praia.

 

David e Ana foram buscar a comida e logo de seguida foram para a praia onde colocaram uma manta na areia e ao som das ondas do mar e à luz da lua jantaram.

 

Ana – David, Como é que foi sair de casa tão cedo?

 

David – Ah, foi um pouco assustador no inicio porque eu tinha 14 anos e ia ficar sem meus pais, sem minha irmã tive que crescer psicologicamente para puder realizar o meu sonho. Custou ficar longe deles mas valeu a pena.

 

Ana – Entendo.

 

David – E você, é de Lisboa?

 

Ana – Não, eu vivia em Ovar no Norte de Portugal, numa cidade que fica a 1 hora do Porto mas tive de vir para aqui.

 

David – Cê é uma mulher do Norte, posso perguntar o que te levou a vir prá cá?

 

Ana – Vim prá cá porque o meu pai recebeu uma proposta de trabalho fora de Portugal então eu não queria deixar o meu país por isso decidi ficar e vir para aqui morar com os meus primos.

 

David – Você é mesmo real? Porque até agora tou gostando cada vez mais de cada pormenor em você.

 

Ana ri-se e continuam assim a jantar quando de repente do nada começa a chover a potes ou seja o jantar estava terminado. David e Ana desatam a correr para chegar ao carro mas ao chegarem lá reparam que um dos pneus estava furado e enterrado num charco de lama, ou seja era preciso tirar o carro daquele parque de estacionamento em terra batida para se mudar o pneu. O que poderia tornar-se uma aventura e num dos momentos mais românticos e sujos ( devido à lama ) de David e Ana .

 

David – ah, não tou acreditando nisso não, agora vou ter de empurrar o carro e tentar tirá-lo daqui para mudar o pneu.

 

Ana – Eu ajudo-te, dois trabalham sempre melhor que um só.

 

David – Então fazemos assim você vai para o volante não mexe por amor de deus no travão de mão deixa ele lá e só carrega no acelerador mas carrega bem fundo que eu empurro a traseira do carro.

 

Ana – Ok , eu faço então isso.

 

Ana senta-se no banco do carro que agora se encontrava todo encharcado devido ao facto de Ana estar toda molhada por causa da chuva, ela liga o motor do carro e carrega bem fundo no acelerador ouve-se o barulho das rodas a moverem-se e em seguida um ouve-se um barulho de algo que estava a ser atirado pelo o ar. Ana pára e sai cá fora molhando novamente e quando olha vê David que agora estava com lama em toda a roupa, cara e cabelo Ana não resiste e começa-se a rir.

 

Ana – Eu fiz o que me pediste, carreguei bem fundo não tive culpa, olha para ti hahahaha

 

David – Ah você tá rindo pois agora eu quero ver quem vai rir a seguir.

 

David mete a mão na poça de lama e tira de lá um pedaço de lama, puxando o braço atrás pronto a tirar a Ana, então dirige-se a ela.

 

Ana – David, vá lá não faças isto eu gosto muito de ti, tu és muito bonito o melhor jogador do mundo.

Não.

 

Puffff!

Já está Ana levou com um pedaço de lama em cima pelo o que ficou toda suja. Logo iniciaram uma luta louca com a lama depois começaram a correr uma atrás do outro com a chuva a cair por cima deles. Eles dirigiram-se para a praia novamente e Ana decidiu então mergulhar no mar em seguida David juntou-se a ela. Quando voltaram à superfície Ana tinha um sorriso estampado no rosto pelo que David não resistiu aproximou-se dela e acariciou-lhe o rosto encostou a sua testa à dela e com delicadeza pressionou os seus lábios nos dela.

Foi um beijo suave, doce mas que durou uma eternidade, David possuía a mão esquerda no rosto de Ana e a direita rodeava a sua cintura. Por sua vez Ana tinha uma mão que rodeava o pescoço de David e outra que agarrava a farta cabeleira de caracóis que ele tinha .

Quando o beijo terminou eles continuaram próximos nas mesmas posições em que estavam enquanto se beijaram. David tinha agora a sua testa colada à testa da Ana, o coração de ambos batia fortemente e a respiração era ofegante o silêncio continuou e eles os dois ficaram ali à luz da lua e ao som da chuva como as histórias antigas em que o Romeu sabia que não podia mas era Julieta quem ele queria e por quem ele se apaixonaria.

 

 

                       

elaborado por acordoamor às 22:59 | link do post | comentar