Acidente ( 8º capítulo )

Mas Ana enquanto trabalhava sente uma tontura que fez com que ela se desequilibrasse e deixa cair o balde com a água no chão, por momentos treme um pouco das pernas e quase cai no chão, mas sente alguém a segurá-la na sua pequena cintura com um movimento suave.

 

David – Você está bem ?

 

Ana – Acho que foi uma quebra de tensão, mas já estou bem ( Ana sente-se um bocado envergonhada devido ao facto de David a ter agarrado, mas recompõe-se muito depressa).

Obrigada por me teres ajudado, agora se me dás licença tenho de voltar ao trabalho, desculpa lá.

 

David – Não posso dar licença à você. ( Diz enquanto se põe à frente dela )

 

Ana – Ah ? Desculpa por que não ?

 

David – não posso continuar te tratando por menina desconhecida que me jogou em cima. Preciso saber seu nome. Como você se chama?

 

Ana – Ah isso, o meu nome é Ana.

 

David – Ana, prazer em te conhecer, eu sou o David ( Enquanto isso dá-lhe dois beijos na face, deixando Ana um pouco vermelha ).

 

Ana – Eu sei ( sorri ), prazer David.

 

Enquanto isto se passava, alguém os andava a espiar, alguém chamada Marina.

 

Marina – Como é que é possível aquela miúda de meia tigela estar a falar com o David, o meu David.

Isto não vai fica assim, ela vai pagar-me isto tudo. O David vai ser meu, só meu e ninguém o vai impedir. ( Diz isto com um sorriso malévolo  no rosto).

 

Entretanto no corredor

 

David – Você trabalha aqui todo o dia ? ( Enquanto isso David observa Ana a trabalhar sem parar).

 

Ana – Sim, trabalho comecei ontem à tarde e ainda não parei mas tem de ser tenho de dividir o tempo pela escola e trabalho para ver se consigo.

 

David – Você estuda é? Quantos anos você tem?

 

Ana – Sim estudo, estou no 11º ano em ciências e tecnologias e tenho 16 anos.

 

David – Você não tá falando sério, você tem mesmo 16 anos, não pode.

 

Ana – Ai pode, pode, nasci no dia 26 de Maio de 1994.

 

David – Te julguei mais velha, me desculpe.

 

Ana – Não faz mal não te preocupes.

 

David – Você que ser o quê?

 

Ana – Engenheira Mecânica e talvez.....

 

Quando Ana ia falar cortam-lhe a palavra pois teria de arrumar o material e ir embora pois é a hora dos jogadores irem jogar o David é que chegou mais cedo que o costume.

 

Ana – desculpa, vou ter de arrumar este material todo antes de os teus colegas virem treinar.

 

David – Claro, mas a gente se fala de novo não fala?

 

Ana – Talvez, quem sabe ( Ana não conseguia evitar dizer isto pois não sabia o dia de amanhã)

Bem vou indo, foi bom falar contigo, adeus.

 

Ao dizer isto Ana afasta-se, deixando David para trás no meio do corredor.

Ana como previsto arrumou tudo o que tinha para arrumar, então quando arrumou tudo decidiu ir para casa mais cedo .

Entretanto os jogadores acabaram o treino mais cedo e todos falavam animadamente dentro do balneário enquanto que David estava pensativo.

 

Ruben – Então mano, estás muito pensativo, passa-se alguna coisa?

 

David – Tou pensando na menina , ela se chama Ana e tem 16 anos e é bem engraçadinha.

 

Ruben- Então já sabes coisas sobre ela, porque estás assim?

 

David – Deixa prá lá Manz, não é nada não, vou-me vestir.

 

Todos se vestiram e como de costume o David foi o primeiro a dirigir-se para o exterior do Estádio para ficar à espera de Ruben.

Parece que naquele dia o destino seria o ponto essencial de uma grande história de amor.

Ana que também se dirigia para o exterior pôs um pé no parque de estacionamento do Estádio da Luz e de repente:

 

David – Cuidado!!

 

Ana automaticamente vira-se para a frente e o que vê é um carro a dirigir-se a ela em alta velocidade. Ana não se moveu nem um milímetro devido ao susto, ficou ali a ver o carro a aproximar-se e pensou: “ Pronto é o fim de um bom sonho”.

Rapidamente Ana fecha os olhos e pede a Deus para que tudo seja rápido e o menos doloroso possível pensa então no rosto dos seus pais e de todos aqueles que iria deixar para trás até mesmo David que apesar de o conhecer à dois dias já começava a sentir uma ligação com ele.

Ela sabia que não o ia voltar a ver, não iria ver aqueles caracóis de ouro a brilharem ao sol, não ia ver o seu sorriso e a perfeição da sua face mas decidiu então guardar aquela imagem na memória, aquela imagem de um pequeno anjo ali tão perto dela.

Ana derrama uma lágrima e estava prestes a deixar-se levar quando é literalmente projectada para o chão e ela pensou então que teria sido o fim e logo de seguida abre os seus olhos verdes. Olhou para o céu onde se encontrava o sol à sua frente encontrava-se um rapaz com uma farta cabeleira que respirava ofegante, Ana olhou para ele e viu que era David mas ela pensou que estaria morta e que aquilo era fruto do desejo de Ana ver mais uma vez o seu pequeno querubim.

 

Ana – Morri e estou no céu, a última coisa que vejo é a cara mais perfeita do mundo, a cara de um pequeno anjo querubim .

 

David – Você não tá morta não, cê tá viva.

 

Mas Ana estava muito fraca e acaba por desmaiar nos braços de David.

David alerta toda a gente Do Estádio e levam imediatamente Ana para o hospital para ser vista por médicos. David vai na ambulância com a Ana e não larga a mão dela nem por nada.

Mas quem seria o condutor mistério do carro? Poderia David estar sempre por perto para salvar Ana?

Destino ou não nada acontece por acaso.

 

elaborado por acordoamor às 11:40 | link do post | comentar